Facebook: todo cuidado é pouco!

Se você é usuário do Facebook saiba que nem tudo é permitido e, isso,  para o seu próprio bem.

Nathália Colt

O Brasil liderou o ranking de crescimento de usuários do Facebook em 2012. Segundo o instituto SocialBakers, a rede social obteve quase 30 milhões de adeptos só no ano passado, um total de mais de 65 milhões de usuários. Esses números mostram, claramente, que o brasileiro gosta muito de se comunicar, mas quanto isso é bom, o que pode ou não ser postado? E você, toma cuidado com o que posta ou coloca tudo o que vem na frente, curte, compartilha. Nas redes sociais, todo cuidado é pouco. Um exemplo de precaução nas postagens vem do Gerente de Desenvolvimento de Produto, Mário Rodrigo, que pensa bem antes de  postar algo no Facebook. “Procuro me precaver, principalmente quando se trata da minha privacidade ou envolvem familiares e amigos. Além disso, verifico se não estou colocando nada imoral, que desrespeite ou ofenda alguém”, explica Mário.

O ideal para todos os que se utilizam do facebook é fazer as seguintes perguntas antes de qualquer postagem: essa informação é realmente importante? Tem alguma utilidade para mim ou para as pessoas que vão visualizá-las? Essa foto não está comprometedora? Tenho plena ciência do destino dessas informações? Quando estamos no facebook, parece até com uma brincadeira, uma bobagem, mas muitas informações caídas em mãos erradas podem prejudicar, e muito, uma pessoa. Atualmente, as informações nas redes sociais são analisadas para tudo, principalmente para quem está à procura de emprego.

Cuidado!

Na contramão de quem deveria prestar atenção antes de postar algo no facebook, o publicitário Paulo Donda,  postou uma foto  com a melhor das intenções. O problema é que depois de um tempo, as postagens passaram a ser ofensivas à sua pessoa. Paulo conta que “depois de um tempo no facebook, uma pessoa curtiu a foto e fez um comentário intrigante que acabou ficando  visível para todos os meus outros contatos. A partir daí,  os comentários começaram a ficar excessivos, recebi criticas e ofensas.” Foi só então que o publicitário decidiu não só tirar a foto da sua página, como também deletar alguns “amigos” virtuais. Mas, Paulo diz ter aprendido a lição: “Hoje penso mil vezes antes de postar qualquer foto que envolva minha imagem”, afirma o publicitário que complementa “tudo o que você posta pode refletir no mercado de trabalho e na vida “.

Outro perfil  

Paulo Ricardo, escrevente extrajudicial, também decidiu ser reservado após um incidente, “Postei algo no meu perfil e me arrependi muito. Hoje eu sou muito reservado e faço as coisas nos mínimos detalhes. Uso até outro perfil no MSN para poder ser eu mesmo sem me expor muito, para quem eu não conheço”. Uma saída para aqueles que querem falar tudo sem se arrepender de nada é “inventar” um outro perfil, mas isso afinal não é crime? O próprio Paulo responde:  “No momento em que você deixa sua foto pública em redes sociais, você tem noção de que está sujeito a tudo, por isso que não considero um crime. A pessoa que deixou o perfil público que arque com as consequências. Mas vale lembrar que, eventualmente, o responsável irá sofrer uma indenização ou cumprir uma prestação de serviço.”

Paulo diz ainda, que pessoas reservadas demais tem sempre o que esconder. “Conheço e tenho muitos amigos, por exemplo, que se dizem héteros, mas usam perfil falso em redes sociais para aprontar com pessoas do mesmo sexo, pois não querem ser tachados de ‘gay’ ou tem medo de que um conhecido descubra sua opção sexual.”

 

Aconteceu com os famosos

Usar o facebook sem pensar também já atingiu alguns famosos que, pior, que os “pobres mortais” possuem uma legião de fãs que, se enfurecidos, se transformam em uma verdadeira legião de inimigos. Um desses casos é o do cantor Ed Mota que publicou, em maio de 2011, em seu perfil do Facebook, postagens onde se dizia superior. Mas, pior que isso foi o seu pedido de desculpas via  Twitter:  “Eu achava que o Facebook era privado. Nunca escreveria isso nem brincando. Estou triste ‘pacas’ com esse mal entendido”, comentou. “Depois das loucuras, eu não tenho como consertar, só posso lamentar e ficar com uma vergonha gigante. Mas tudo bem, assumo meu erro.”

EdMota
Já a cantora baiana Gal Costa, esqueceu que seus conterrâneos poderiam se ofender e publicou em sua página no Twitter:  “Como na Bahia as pessoas são preguiçosas”. O post levou a cantora a acusações de racismo, mas nem as críticas fez com que ela voltasse atrás e postou novamente: “Gente, chega! Acabou o assunto da preguiça. Não se pode falar nada aqui que tudo vira polêmica. Sou baiana e falo por que posso. Vou sair. Tchau”. Na verdade, respondendo não só para Gal Costa, mas para todos que usam o Facebook, não, não se pode falar o que se pensa nas redes sociais, sem arcar com todas as consequências. Assim como você tem o direito de falar, todos também têm. É uma regra simples, mas que pode trazer sérias implicações se não for seguida à risca.

GalCosta

(Visited 29 times, 1 visits today)

Deixe uma resposta