Rupi Kaur – o feminismo em poesia

Li esse poema no feed do meu Facebook e achei perfeito, então aí está

Eu não sei o que é viver uma vida equilibrada. Quando fico triste, eu não choro. Eu derramo. 
Quando fico feliz, eu não sorrio. Eu brilho. 
Quando fico com raiva, eu não grito. Eu ardo. 
A vantagem de sentir os extremos é que quando eu amo… Eu dou asas. 
Mas isso talvez não seja uma coisa tão boa,
Porque eles sempre vão embora
E você precisa ver, quando quebram meu coração, 
Eu não sofro. Eu estilhaço.

– Rupi Kaur

Então depois de lê-lo decidi saber mais sobre o autor, ou melhor autora e descobri o seguinte:

about-us

Rupi Kaur é uma poeta feminista contemporânea, escritora e artista da palavra falada, que vive em Toronto. Ela é popularmente conhecido como Instapoet pela atenção que ela ganha online com seus poemas no Instagram.
Entre os seus trabalhos mais notaveis está a sua série fotográfica sobre menstruação, descrito como uma poesia visual visando desafiar tabus sobre a menstruação.

Inclusive foi esse tema, e no instagram, que houve uma das maiores controvérsias de sua arte. Em março de 2015, como parte de um projeto fotográfico para a universidade, Kaur postou uma foto sua deitada na cama com uma mancha de sangue menstrual em sua roupa no Instagram. A plataforma removeu a imagem duas vezes porque a imagem não “seguia (suas) Diretrizes da Comunidade.”

A imagem fazia parte de uma série fotográfica sobre menstruação para desistigmatizar tabus acerca da menstruação.

Kaur levou ao Facebook e criticou a ação do Instagram dizendo, “Obrigada Instagram por fornecer a resposta exata que meu trabalho foi criado para criticar. Vocês deletaram a minha foto duas vezes, afirmando que ia contra as diretrizes da comunidade. Eu não vou pedir desculpas por não alimentar o ego e orgulho de uma sociedade misógina que terá o meu corpo em uma roupa íntima, mas não está de acordo com um pequeno vazamento quando as suas páginas estão cheias de incontáveis fotos/contas onde mulheres (muitas menores de idade) são objetificadas, pornificadas e tratadas como menos que humanas.”

Biografia

Rupi Kaur nasceu em Punjab, India e emigrou com seus pais para Toronto, Canada, quando tinha 4 anos. Quando criança, foi inspirada por sua mãe a desenhar e pintar. Ela costumava escrever poemas para os seus amigos nos seus aniversários e mensagens para pessoas que ela se interessava.Ela estudou retórica e escrita profissional na Universidade de Waterloo, em Ontario.Ela atualmente reside em Brampton, Ontario com seus pais e quatro irmãos.

Ela publicou um livro de poesia e prosa intitulado “milk and honey” em 2015. O livro aborda os temas violência, abuso, amor, perda e feminilidade. Aqui ni Brasil o livro tem o título de Outros jeitos de usar a boca.

Outros jeitos de usar a boca (Milk and Honey)

O primeiro e único livro de Kaur é uma antologia de poesias, prosa e ilustrações, o livro é dividido em quatro capítulos, cada um com um tema diferente. A seções estão intituladas “the hurting”, “the loving”, “the breaking”, e “the healing” e cada uma delas serve a um propósito diferente.  No geral fala sobre a experiência de violência, o abuso, o amor, a perda e a feminilidade. Lida com um tipo diferente de dor. Cura uma mágoa diferente. Outros jeitos de usar a boca transporta o leitor por uma jornada pelos momentos mais amargos da vida e encontra uma maneira de tirar delicadeza deles.

Kaur originalmente publicou de maneira autônoma seu livro na Amazon em 2014, mas foi tão popular que uma editora, Andrews McNeel Publishing, decidiu adotá-lo para uma segunda impressão em outubro de 2015. O livro esteve nas listas de mais vendidos de literatura canadense na Amazon, entre escritores como Margaret Atwood. Também foi o segundo livro mais vendido da Amazon na categoria poesia. A coletânea também foi um bestseller da lista do New York Times e permaneceu ali por 25 semanas consecutivas. Em outubro de 2016, havia vendido meio milhão de cópias.

Comment on “Rupi Kaur – o feminismo em poesia”

  1. “Eu não sei o que é viver uma vida equilibrada.” Esse poema maravilhoso está contido no seu livro Milk e Honey? Porque eu baixei o livro e não continha essa poesia.

Deixe uma resposta