Gordofobia é abordada no Profissão Repórter

Assisti hoje o Profissão Repórter dessa semana, que fala sobre a Obesidade, e me senti representada. Não que isso seja algo bom, neste caso, mas achei excelente terem abordado este tema e dessa forma.

O Profissão Repórter falou de quatro jovens que são obesos, dois que sofrem com isso e dois que já se aceitaram como são e, inclusive, ganham dinheiro por meio de seu biotipo. O que mais me marcou, foi o caso de Rogi, estudante de administração, com 29 anos e muita dificuldade para lidar com as tarefas básicas por causa do seu peso. Com 208kg tudo fica muito difícil: ir ao banheiro, pegar ônibus, sentar na cadeira da faculdade e comprar roupas. “Muitas vezes ouço as pessoas dizerem que se assustam comigo. Não ser aceito em espaços machuca. Quando me olho no espelho, não me sinto o feio que a sociedade diz. Eu me sinto bonito, e às vezes nem me sinto gordo”, conta.

Rogi jogava no time de futebol americano de Vila Velha, no Espírito Santo. Mas há dois anos desistiu e, depois disso, teve uma depressão. Foi aí que começou a engordar: “Às vezes eu quero me isolar, muitas vezes eu não saio. Fico quietinho em casa porque aqui sei que tô protegido”.

É exatamente assim que me sinto, passei por alguns eventos em minha vida que me fizeram engordar e muito e como ele disse, temos uma vida excluída do resto do mundo, muitos não encontram roupa, não encontram um parceiro e sofrem preconceito todos os dias. E o único prazer que encontramos é na comida.

São piadas, brincadeiras e cobranças do mundo que nos fazem tomar decisões absurdas. Como a entrevistada Fernanda disse, muitas vezes a pior cobrança é de dentro de casa. Fernanda quer emagrecer 20kg até o Natal. Ela é professora e deixou o emprego há dois anos, quando a segunda filha nasceu. Ela tem que lidar com as constantes críticas do marido, Hermínio: “Ele adora me zoar, não só eu… Fala que é tudo chupeta de baleia”.  Hermínio conta sua versão: “Eu brinco assim, mas não tem maldade. Não é bullying. Ela inventou de usar biquíni e eu falei que não dá. Uma mulher desse tamanho vai usar biquíni? Ficou feio pra caramba”.

Fernanda pesa 90kg e quer chegar aos 70kg: “A sociedade tem um papel muito importante na minha vontade de emagrecer, porque eles cobram muito isso da gente. Eu não tô fazendo só pelos outros, tô fazendo pra eu me sentir melhor, mais bonita”.

A Gordofobia é algo sério, para quem não está acima do peso, é só uma brincadeira, para nós que sofremos, machuca a alma. Eu queria muito que minha mãe entendesse como eu me sinto e me apoiasse mais, mas é tão complicado, para ela eu estou assim porque quero. E isso não é verdade.

Por que não é preguiça
O sobrepeso não é necessariamente resultado de comida em excesso ou falta de atividade física. Conheça alguns fatores comprovados cientificamente

Falta de sono – Segundo uma pesquisa do King’s College London, pessoas que dormem menos de sete horas por dia consomem, em média, 385 calorias diárias a mais do que aquelas que dormem além disso.

Condições socioeconômicas – Uma pesquisa desenvolvida pelo Ministério da Saúde apontou que o excesso de peso está ligado à escolaridade: 57,3% dos brasileiros com até oito anos de estudo estão com excesso de peso, enquanto aqueles com mais de 12 anos de estudo fazem o índice cair para 48,4%.

Medicamentos – Alguns remédios e até anticoncepcionais formulados à base de estrógeno colaboram no ganho de peso.

Desequilíbrio hormonal – Um desequilíbrio na glândula tireoide pode causar o hipotireoidismo, que desacelera o metabolismo, o que dificulta o gasto de energia e retém sal e água, levando ao inchaço.

Genética – Estudos realizados com gêmeos mostram que a genética influencia nosso peso entre 40% e 70%. Há inclusive genes associados ao acúmulo de gordura, como o FTO — um levantamento recente publicado na revista Nature comprovou que ratos sem esse gene nunca ficam obesos, mesmo comendo muito e se movimentando pouco.

Fonte: Revista Galileu

Eu, particularmente, ainda não cheguei ao nível de me aceitar como sou. E nem sei se é isso que quero. Espero ainda emagrecer e me sentir bem com o meu corpo. Mas acima de tudo não quero mais me sentir mal, depressiva, excluída e tudo de ruim ao me olhar no espelho.
Se você quiser assistir o episódio de Profissão Repórter:
Depois lembra de voltar e dizer o que achou.

Deixe uma resposta