R.I.P. Chester Benington

Ontem a noite fiquei sabendo de uma coisa horrível, o Chester Bennington, vocalista do Linkin Park, foi encontrado morto em sua casa. Detalhe, segundo o site TMZ, ele se enforcou, assim como o cantor Chris Cornell  e meu amigo que se matou este ano. Não tive como não associar, fiquei super abalada. Ainda mais porque ouvi muito Linkin Park com esse meu amigo.

Na verdade, já faz alguns anos que não escuto LP, eles mudaram muito, assim como eu mudei. Mas não tenho como negar que esta banda fez parte da minha adolescência, representou – e representa – muito em minha vida. Me lembro muito bem da primeira vez que vi um clip deles, era Points Of Authority, na época me perguntei: Meu Deus! Quem é esse cara de cabelo vermelho, cheio de piercing, super gato? Era ele, minha primeira paixão. Alguns dias depois discutia com uma amiga como Chester era muito mais bonito que o Mike, e por fim, entramos em um acordo, eu “ficava” com o Chester e ela com o “Mike”. Nunca mais brigamos.

linkin-for-article.jpg

Assim como eu me lembro que quando o Linkin Park veio ao Brasil pela primeira vez eu chorei muito, pois era muito criança, 14 anos, eu acho,  para ir em um show desses, minha mãe nunca deixaria e eu, “a revoltada” ouvi LP o fim de semana todo, na maior altura. Só para incomodar ela.

Por anos fui apaixonada pelo LP, e nunca encontrei um cover digno de dizer que era bom como a banda. Amores vieram e foram e o LP sempre foi uma ligação com todos eles. Inclusive a intensidade que as músicas nos traziam. Só de pensar na letra da minha música favorita, me arrepio:

“These are the places that I can’t feel
Torn from my body my flesh it peels
During this ride we can cut off what we like

Waiting alone I cannot resist
Feeling this hate I have never missed
Please someone give me a reason to peel off my face
Blood it is pouring… ” – One Step Close (live)

Essa estrofe de One Step Close, apesar de estar no Reanimation, eu só ouvi pela primeira vez no Live in Texas, e depois encontrei um CD – sim era da época do CD –  do Reanimation eu ouvi o original.

61+hiLbnJ9L._SS500.jpg

Aliás, mais do que as letras e dos gritos de Chester, sua voz sempre me conquistou. Quando ouvi pela primeira vez Breaking The Habit, adorei, mas quando ouvi acapella, foi emocionante.

Que voz é essa gente? Meu Deus, quanto talento!

Enfim, Chester era um cara que fez a diferença na vida de muitos adolescentes do anos 2000, tanto pelas sua voz, pelas suas músicas e principalemtne por fazer parte do Linkin Park. Infelizmente, nunca saberemos porque ele se foi, só imagino que para tirar sua própria vida, no mínimo ele estava se sentindo sozinho. E ao mesmo tempo, nem tinha noção, do quão era querido por todos nós.

Ví esse post no meu face e achei legal compartilhar:

Eventos repentinos como esses como este nos fazem pensar na leveza da vida. Um sopro e já éramos. Mas ao invés de pensar no quão triste estamos, vou colocar as músicas do LP que eu mais gosto e que fizeram diferença na minha vida. Espero que vocês curtam e se identifiquem!

2 opinions on “R.I.P. Chester Benington”

  1. Naty, eu fiquei muito abalada. LP marcou muito a minha adolescência, tenho até hoje as minhas músicas favoritas no celular, como “In the end”, “Leave out all the rest”… Peguei para ouvir o último cd e gostei muito, estava viciada em “Nobody can save”, tinha ouvindo inúmeras vezes na manhã de sexta-feira, e à tarde com a notícia, vi o quanto a letra falava de escuridão e sufocamento, e realmente ninguém pode salvar Chester! ? Bjos

    1. Eu tbm sempre tava com minhas favotitas no celular. Ainda não ouvi o último mas eu fico pensando em como ele estava e o que sentia. Poxa mal sabia o quão era querido. Beijos e obrigada por estar sempre aqui no blog. Bjos

Deixe uma resposta