Comporte-se como uma Dama, Pense como um Homem

Entre minhas leituras de 2017 coloquei um livro que pensei que seria interessante: Comporte-se como uma Dama, Pense como um Homem, o livro apresenta princípios, regras e dicas para as mulheres entenderam a mente masculina e saber quais as reais intenções do novo “pretendente”.É uma espécie de manual bem humorado, escrito pelo comediante Steve Harvey,  que alcançou o topo da lista no The New York Times, publicado em 29 países e com mais de 2 milhões de cópias vendidas.

Leia mais »

12 poemas que vão te ajudar a fazer as pazes com você mesma

1. Uma aprendizagem“, por Taís Bravo

O que você não sabe
uma arma
disponível

2. II“, por Brena O’Dwyer

é no equilíbrio frágil
de certos silêncios
que a gente vive

3. O mundo é dos poetas“, por Stéfane Pyaar

todo mundo
pede ajuda
o tempo todo.
alguns gritam,
outros choram baixinho.
e eu, bem, eu escrevo.

4. Tudo bem“, por Drica Serra

moça,
tudo bem ser indecisa
quanto ao sabor do sorvete,
a camiseta, a pizza, a faculdade.
mas jamais aceite viver com a dúvida
sobre o amor de alguém por você. não dá pra
amar escondido, o amor salta, se mostra,
derrama pra todos os lados. se você não
o vê, acredito, ele não existe.

5. Dez chamamentos ao amigo“, por Hilda Hislt

Se te pareço noturna e imperfeita
Olha-me de novo. Porque esta noite
Olhei-me a mim, como se tu me olhasses.
E era como se a água
Desejasse

6. Asas“, Victor Érik

a duras
penas
criei
asas.

7. Mocidade Independente“, por Ana Cristina César

Pela primeira vez infringi a regra de ouro e voei pra cima sem medir mais as consequências. Por que recusamos ser proféticas? E que dialeto é esse para a pequena audiência de serão? Voei para cima: é agora, coração, no carro em fogo pelos ares, sem uma graça atravessando o Estado de São Paulo, de madrugada, por você, e furiosa: é agora, nesta contramão.

8. Futuro“, por Ita Portugal

Não posso desfazer a história
e tampouco apagar
os erros.
A única coisa
possível é continuar
apontando o lápis para
escrever o restante que
ainda falta.

9. Coragem“, por Drica Serra

às vezes desistir
de alguém é um sinal
de que a gente se ama tanto,
mas tanto, que não pode
ver nosso coração ser tão
machucado e não fazer
algo pra mudar isso

10. Bagunça“, por Ana Macarini

A vida é um eterno
quarto de bagunças
Sempre vai ter coisas
que você guarda
quando já deveria
ter jogado fora

11. Vento“, por Cora Coralina

Fechei os olhos e pedi um favor ao vento:
leve tudo que for desnecessário.
Ando cansada de bagagens pesadas.
daqui para frente apenas o que couber
no bolso e no coração.

12. Silêncio“, por Jey Leornado

O silêncio, às vezes,
explica tudo o que as
palavras nunca puderam
dizer. E ele também é
capaz de deixar tudo
ainda mais confuso
do que já está.

 

Repost – Buzzfeed

Novo estudo constata : solidão é mais mortal do que a obesidade

Os pesquisadores descobriram que os seres humanos estão enfrentando uma nova “epidemia de solidão”, e é esperado que piore.

“Well, I’m so lonely,” cantarolou Elvis Presley. “I’ll be so lonely, I could die.” Bem, acontece, que ele realmente poderia.

Um novo estudo publicado recentemente encontrou a solidão que pode ser um perigo para a saúde pública maior do que a obesidade.

“Ser socialmente conectado aos outros é uma necessidade fundamental do ser humano  – crucial para o bem-estar e para a sobrevivência”, Dr. Julianne Holt-Lunstad, professor da Universidade Brigham Young, disse ao apresentar a pesquisa em uma convenção da American Psychological Association.

“No entanto, vem aumentando a porção de pessoas nos EUA que experienciam a solidão”

Quando as pessoas não conhecem o papel social que precisam , ou seja, sendo parte de grupos e tendo relacionamentos gratificantes, de suporte – elas constumam criar barreiras físicas e mentais.

Estudos realizados pelo psicólogo John Cacioppo, da Universidade de Chicago descobriram que pessoas solitárias têm  problemas para dormir, baixo sistema imunológico, perda de memória, depressão, alcoolismo, artérias erodidas (que podem levar a pressão arterial elevada).

Viver sozinho aumenta também o risco de uma pessoa cometer suicídio e são mais estressados ​​do que os não-solitários. Quando tem interações sociais, tendem a ser menos positivos do que outras pessoas – o que faz com sua solidão aumente ainda mais.

Isso Cacioppo percebeu até mesmo os médicos que tratam pacientes com apoio da família, tem melhores resultados.

A nova pesquisa Holt-Lunstad usou duas meta-análises que envolveram  148 estudos anteriores – como as descritas acima -com mais de 300.000 participantes testados.Os dados agregados mostrou que as pessoas solitárias têm um 50% maior risco de morrer cedo.

O segundo projeto envolveu  70 estudos olhando para a conexão entre dados de isolamento e de mortalidade por representação de mais de 3,4 milhões de pessoas em todo o mundo.

Esta pesquisa  mostrou que o isolamento, a solidão e viver sozinho são todos iguais ou superiores a outros riscos de saúde mais comumente aceitas – como a obesidade – em termos dos seus efeitos de morte prematura.

Se isso soa como você, você não está sozinho. (Quero dizer … você está. Mas você não está…) Existem 42,6 milhões de adultos com mais de 45 anos sofrem de solidão crônica nos Estados Unidos. Além disso, um quarto da população vive sozinho e mais de metade da população adulta é solteira. Alguns pesquisadores temem que o problema só vai piorar a partir daqui. taxas de casamento e o número de crianças por família estão em declínio.

“Com o aumento do envelhecimento da população cada vez maior, o efeito sobre a saúde pública só está prevista para aumentar”, disse Holt-Lunstad. “De fato, muitas nações ao redor do mundo estarão enfrentando uma ‘epidemia de solidão.” O desafio que enfrentamos agora é o que pode ser feito sobre isso. ”

Algumas sugestões incluem exigir médicos para triagem de conexão social, ensinando as crianças na escola engajamento social e encorajar as comunidades para criar mais espaços públicos para reuniões sociais.

Este post foi traduzido por Nathalia Colt de Mystical Raven

5 COISAS QUE TODOS PODEMOS APRENDER AO ESTARMOS SOLTEIROS

Nós fomos condicionados a pensar ser solteiro é uma coisa ruim. Se você é solteiro, o consenso geral é de que algo está errado com você. Isto está muito longe da verdade.

Embora seja ótimo ter um parceiro, um relacionamento também implica um compromisso sério de trabalho e tempo. Sempre que você estiver solteiro, foque nas características abaixo e tome o seu tempo na escolha de seu próximo relacionamento.

1. Você não é dependente dos outros para a sua felicidade

Relações devem ser duas pessoas que agem como dois indivíduos parte de uma equipe. Você deve pensar nisso como o caminho para ‘completar’ a si mesmo ou qualquer coisa nesse sentido.

Não gaste todo o seu tempo e energia à procura de seu próximo relacionamento ou olhando para o passado. Use esse tempo sozinho para tratar-se, envolver-se e, mais importante, amar a si mesmo.


2. Você tem tempo livre para explorar e compreender a si mesmo e a vida

Relacionamentos necessitam de tempo e recursos. Mesmo que todas as contas sejam divididas, há sempre mais despesas com mais pessoas a considerar. Tome o tempo que tem como solteiro e viva de uma forma que te faça feliz, tire proveito de sua independência. Você tem mais opções para viagem, passatempos, e projetos pessoais quando você é solteiro.

Você tem mais chances de chamar a atenção ou encontrar alguém da sua vibe se você ficar ativo e fiel a si mesmo.


3. Você não precisa de um parceiro para manter as aparências ou validar sua vida

Os relacionamentos não são um substituto para a confiança ou competência. Não deixe que as opiniões de outras pessoas sobre seus relacionamentos tem influenciem a permanecer ou em constante busca por um relacionamento.

Todas as coisas mudam e terminam. Quando o relacionamento terminar, você terá que muito mais trabalho.


4. Ser solteiro não significa que você não tem amor

O amor está em toda parte se você souber procurar. Sim, pode haver uma falta de energia sexual na vida, mas não significa que você é privados de amor, apreço e desejo. Ainda há pessoas que se importam com você, querem sair com você, desejam a sua opinião e te amam por quem você é. Fique de mente aberta e pronta para aceitar os presentes que universo está jogando em seu caminho.


5. Tempo gasto sozinho tempo é gasto recuperando-se

Se você acabou de sair de um relacionamento, provavelmente está um pouco mexido. Abrande, respire e aceite os sentimentos que você está enfrentando. Resista ao seu desejo de entrar em outro relacionamento ou outras distrações. Enfrente seus problemas agora, em seus termos. Quanto mais cedo você começar a trabalhar na recuperação, mais cedo você vai encontrar-se capaz de ser social.

Se você ignorar e saltar para outro relacionamento, estará deixando os sentimentos e as consequências de seus relacionamentos passados se acumularem em torno de você. Eles vão dificultar a sua felicidade e auto expressão.

Repost – O Segredo

Rupi Kaur – o feminismo em poesia

Li esse poema no feed do meu Facebook e achei perfeito, então aí está

Eu não sei o que é viver uma vida equilibrada. Quando fico triste, eu não choro. Eu derramo. 
Quando fico feliz, eu não sorrio. Eu brilho. 
Quando fico com raiva, eu não grito. Eu ardo. 
A vantagem de sentir os extremos é que quando eu amo… Eu dou asas. 
Mas isso talvez não seja uma coisa tão boa,
Porque eles sempre vão embora
E você precisa ver, quando quebram meu coração, 
Eu não sofro. Eu estilhaço.

– Rupi Kaur

Então depois de lê-lo decidi saber mais sobre o autor, ou melhor autora e descobri o seguinte:

about-us

Rupi Kaur é uma poeta feminista contemporânea, escritora e artista da palavra falada, que vive em Toronto. Ela é popularmente conhecido como Instapoet pela atenção que ela ganha online com seus poemas no Instagram.
Entre os seus trabalhos mais notaveis está a sua série fotográfica sobre menstruação, descrito como uma poesia visual visando desafiar tabus sobre a menstruação.

Inclusive foi esse tema, e no instagram, que houve uma das maiores controvérsias de sua arte. Em março de 2015, como parte de um projeto fotográfico para a universidade, Kaur postou uma foto sua deitada na cama com uma mancha de sangue menstrual em sua roupa no Instagram. A plataforma removeu a imagem duas vezes porque a imagem não “seguia (suas) Diretrizes da Comunidade.”

A imagem fazia parte de uma série fotográfica sobre menstruação para desistigmatizar tabus acerca da menstruação.

Kaur levou ao Facebook e criticou a ação do Instagram dizendo, “Obrigada Instagram por fornecer a resposta exata que meu trabalho foi criado para criticar. Vocês deletaram a minha foto duas vezes, afirmando que ia contra as diretrizes da comunidade. Eu não vou pedir desculpas por não alimentar o ego e orgulho de uma sociedade misógina que terá o meu corpo em uma roupa íntima, mas não está de acordo com um pequeno vazamento quando as suas páginas estão cheias de incontáveis fotos/contas onde mulheres (muitas menores de idade) são objetificadas, pornificadas e tratadas como menos que humanas.”

Biografia

Rupi Kaur nasceu em Punjab, India e emigrou com seus pais para Toronto, Canada, quando tinha 4 anos. Quando criança, foi inspirada por sua mãe a desenhar e pintar. Ela costumava escrever poemas para os seus amigos nos seus aniversários e mensagens para pessoas que ela se interessava.Ela estudou retórica e escrita profissional na Universidade de Waterloo, em Ontario.Ela atualmente reside em Brampton, Ontario com seus pais e quatro irmãos.

Ela publicou um livro de poesia e prosa intitulado “milk and honey” em 2015. O livro aborda os temas violência, abuso, amor, perda e feminilidade. Aqui ni Brasil o livro tem o título de Outros jeitos de usar a boca.

Outros jeitos de usar a boca (Milk and Honey)

O primeiro e único livro de Kaur é uma antologia de poesias, prosa e ilustrações, o livro é dividido em quatro capítulos, cada um com um tema diferente. A seções estão intituladas “the hurting”, “the loving”, “the breaking”, e “the healing” e cada uma delas serve a um propósito diferente.  No geral fala sobre a experiência de violência, o abuso, o amor, a perda e a feminilidade. Lida com um tipo diferente de dor. Cura uma mágoa diferente. Outros jeitos de usar a boca transporta o leitor por uma jornada pelos momentos mais amargos da vida e encontra uma maneira de tirar delicadeza deles.

Kaur originalmente publicou de maneira autônoma seu livro na Amazon em 2014, mas foi tão popular que uma editora, Andrews McNeel Publishing, decidiu adotá-lo para uma segunda impressão em outubro de 2015. O livro esteve nas listas de mais vendidos de literatura canadense na Amazon, entre escritores como Margaret Atwood. Também foi o segundo livro mais vendido da Amazon na categoria poesia. A coletânea também foi um bestseller da lista do New York Times e permaneceu ali por 25 semanas consecutivas. Em outubro de 2016, havia vendido meio milhão de cópias.