Lovesick a melhor – e mais sincera – série sobre relacionamentos

Hoje vou falar sobre o meu mais novo amor, a série que ganhou meu coração neste fim de semana e que se você, é assim como eu, gosta de séries de relacionamentos e vida adulta, também vai gostar. Lovesick é uma série britânica, anteriormente conhecida como Scrotal Recall (imagine um Recall depois de uma transa, sim é praticamente isso que este nome quis dar),  teve sua estréia nos EUA pela Netflix em 2015.

Leia mais »

3 Perguntas sérias a serem feitas antes de voltar com seu ex

Após uma separação indesejada, a maioria das pessoas sente pontos de desespero imediatos para reatar o namoro e voltar com o ex. Esse sentimento desesperado e doloroso pode ir e vir, mas é um denominador comum em desgosto.

Uma vez que você está em luto e a separação causou uma dor horrível em primeiro lugar, parece que se seu relacionamento poderia voltar como se nada tivesse acontecido e isso acabaria com a dor.

Antes de começar a planejar algo do tipo, há três itens sérios que você precisa considerar.

É hora de pensar se voltar com seu ex é algo emocional momentaneo ou se é realmente crítico e você PRECISA dessa pessoa de volta à sua vida. A seguir estão as três questões mais importantes a serem feitas antes de tentar voltar com o ex.

1. Quais são as suas verdadeiras razões para querer voltar?

Defina todo o amor e a história de lado por um segundo. O que exatamente é sobre o seu ex que você quer de volta em sua vida? Diga que você acredita que você e seu ex são almas gêmeas. O que é sobre essa pessoa que faz você se sentir como insubstituível em sua vida?

Se você fosse bom um para o outro e a relação quebrou por circunstâncias ou distância, isso é mais fácil de reparar do que se você tiver problemas sérios com a incompatibilidade do núcleo. Se vocês dois estão bem juntos, mas desejam coisas diferentes – então pode ser hora de deixá-lo ir mesmo se você ainda o ama. Além disso, o que desencadeou seu desejo de recuperá-los? Obtendo-se acionado por suas postagens de mídia social com sua nova chama é muito diferente do que se você quisesse de volta o tempo todo.

2. Você estávam realmente bem juntos?

À luz do desonesto devastador, esta questão pode ser difícil de responder com honestidade. A maioria das pessoas olha para trás em seu passado com óculos cor de rosa. Especialmente com os exes. Pense nas suas lutas e desentendimentos com o seu ex. Eu não acredito em você. Se você nunca brigou ou discordou, um ou ambos não estavam sendo autênticos com seus sentimentos.

Pensando em voltar para a briga, como foi? Algum de vocês é vicioso com a outra pessoa? Foi algo abusiva? Que tal a frequência? Vocês dois brigam o tempo todo? Se você está tendo problemas para se lembrar sem a música de amor e a iluminação suave, pergunte ao seu melhor amigo por sua avaliação honesta.

3. O que você realmente quer que sua vida pareça?

Depois de parar de fazer planos para um futuro com outra pessoa, torna-se mais fácil pensar sobre o que você realmente pode querer para sua vida.

Muitas pessoas ficam presas em um lugar de não ter certeza de como seu futuro poderia parecer sem considerar os objetivos e sonhos de outra pessoa. Às vezes, os objetivos são contagiosos. Se você passou os últimos anos com alguém, é fácil pensar sobre o seu futuro compartilhado como uma possibilidade real. Quando você rompe, parece que o futuro foi descarrilado de alguma forma. Agora é a hora de pensar sobre o que você sempre quis criar para sua vida.

Sem pensar em seu ex, pense sobre as qualidades que você realmente quer em um parceiro. Esta é uma ótima coisa para um diário:
Como você quer que eles sejam?
Quais metas você deseja compartilhar?
Como você quer ser tratado em um relacionamento?

Examine suas respostas para todas essas questões. O seu ex tem essas qualidades? Como é que isso promete uma reunião? Lembre-se que, seja qual for o problema em seu relacionamento antes de terminar, continuará a ser um problema depois de voltar a compartilhar. Se você decidir voltar, você deve estar pronto para examinar todos os seus problemas com o seu ex para que seja possível avançar de maneira saudável.

Comprometa-se a não se conformar com o ciclo de maquiagem e ruptura. Não deixe sua vida coxear no suporte de vida, porque você não suporta a ideia de não estar com seu ex.

Se você for voltar , acredito que você tenha um tiro sólido em voltar a ficar juntos. Se não funcionar quando você tentar a segunda vez, é hora de deixar o relacionamento em busca de pastos mais verdes. Não fique preso durante anos indo para frente e para trás. Uma vez que alguém sai pela porta, pode ser mais difícil recuperar a confiança que você teve antes de terminar. Se alguém em seu relacionamento já teve problemas de abandono, isso é agravado pela dissolução e pode ser realmente difícil (mas não impossível de reparar).

Leve algum tempo para examinar seus sentimentos sobre essas questões antes de iniciar no modo de estratégia com o seu ex. Às vezes, o desejo de conseguir alguém de volta realmente passa, e você deve a ambos para realmente pensar antes de tentar obter o seu ex de volta.

Desapega do que não te faz bem

Desapega. Joga fora. Manda pro espaço. Deixa fluir. Joga na lixeira o que não te faz bem: os amores mal resolvidos, a mensagem não visualizada, os colegas que não querem te ver tão bem assim… vai desapegando aos poucos e deixa as coisas melhorarem conforme o tempo passa. Acredite: elas vão melhorar.

A sensação que nos toma quando o apego é forte, pode ser avassaladora. Pode tirar a paz, se manifestar como estresse e desencadear ondas de tristeza. E você precisa disso? Não, não precisa! Dá pra viver com sossego, daqueles bem merecidos.

Já jogou tudo que te faz mal na lixeira? Beleza. Você sabe que eles ainda estão rondando. Então, aproveite a faxina emocional para botar todo esse lixo pra fora, sem dó.

Exorcize esses encostos da sua vida. E não se culpe por nada. Você pode ter namorado o demônio e isso não significa que você é uma má pessoa também. Nem pense que você não é legal porque alguns dos seus amigos te abandonaram. Pense apenas que eles nunca foram seus amigos, e sim colegas.

Se tá difícil conseguir um emprego, não esquenta. Não tá fácil pra ninguém, meu bem. Se na faculdade tudo vai mal, saiba que se esforçando você chega lá (e depende só de você, encare isso de modo positivo). Aquele esquema parou de responder as mensagens? Vá fazer coisa melhor que esperar pelo outro – o mundo não para!

A vida é muito curta pra gastar o tempo com pequenos vícios. Sabe, aqueles pequenos vícios que nos deixam loucos de raiva e que não precisam de um gasto tão grande de energia. Com o tempo, esses grandes problemas são apagados do tempo, parece até que ficam empoeirados em alguma prateleira inalcançável.

É difícil dizer “Xô, problema. Sai da minha vida. Vaza. Chispa.”. É mais difícil ainda colocar isso em prática. Você precisa saber pra onde quer ir. Precisa se questionar mais. Sobre a vida, trabalho, família, estudo, relacionamentos. É preciso traçar um objetivo e tentar chegar lá, dar o sangue para chegar aos resultados.

Então, depois que botar o lixo pra fora, faça uma lista do que te faz bem.

Liste tudo. Aquela música do Chet Faker. Aquele episódio do seu seriado favorito. Até música brega vale: de Rosana (Como uma Deusa) até Odair José.

Coloque, também, todas as pessoas que fazem o seu dia valer a pena – e agradeça. Não se esqueça das pequenas coisas: da brisa no seu rosto quando volta pra casa, da simpatia do vizinho de cima, do seu cantinho, do sabor do café, do pôr-do-sol.

Liste suas cores preferidas, não precisa ser uma só. Agradeça, mentalmente, as pessoas que te provaram que a vida não é um mar de rosas. Coloque na lista a lasanha que só sua avó sabe fazer.

Liste suas fantasias sexuais preferidas. Se solte.

Uma lista de gratidão pode te dar mais ânimo para esquecer de vez a parte ruim.Não negue seus sentimentos. Separe as coisas entre as que te fazem bem e as que fazem mal. E não tenha nenhum problema em desapegar do que te tira o sono.

Depois de desapegar você vai acabar se sentindo mais leve e, consequentemente, mais feliz.

 

Repost: Te escrevi – Ju Umbelino.

Amar é um ato de fé

O amor não são apenas os sentimentos fugazes que você tem quando você conhece alguém, quando seus olhos se travam em um espaço compartilhado, quando seu riso cai em sincronia e, de repente, a sala gira e tudo se sente tão estranho e, mesmo assim, simplesmente, estranhamente familiar.

O amor não é apenas a onda de calor em suas bochechas, o pito de seu coração, a maneira como suas palavras parecem rolar sua língua e ter dificuldade em passar seus lábios. O amor não é apenas a hesitação e, em seguida, a corrida quando você finalmente pisa para a frente ou cair nos braços de outra pessoa.

O amor não são apenas os momentos de silêncio, nem mesmo o alto, onde seu amor está em um simples abraço ou proclamado em uma sala lotada.

O amor não é apenas a única escolha que você faz, para deixar alguém entrar nas profundezas do seu coração, mas a escolha contínua que você faz, dia após dia, a noite após a noite frustrante. Mesmo quando seu corpo está cansado e sua alma está desgastada e sua mente vagou por aí e a dúvida se tornou seu amigo mais próximo.

O amor é um compromisso, uma promessa, uma decisão que você continua fazendo, mesmo quando o mundo continua tirando você. O amor é uma constante – por vezes linda, às vezes desonesta -, mas o que você sente e conhece e acredita, apesar de todas as probabilidades.

O amor é devoção, colocando de lado todos os outros caprichos e desejos do mundo para dizer à pessoa que deseja gastar para sempre com o que você quer, independentemente do obstáculo.

O amor é um ato de fé.

É acordar pela manhã e prometendo ser a melhor mulher ou homem que você pode ser para essa pessoa especial. É deixar de lado sua teimosia e egoísmo para dar tudo o que você tem, simplesmente porque eles precisam disso.

É acreditar que seu vínculo resistirá ao teste do tempo, mesmo que você não consiga ver o que o futuro possui.

É confiança e vulnerabilidade e continuidade, através de todo o sol e tempestades e facilidade e dor desta vida. É desconsiderar os medos deste mundo pelas promessas que você fez, pois apenas uma conexão pode ver, sentir e entender.

E acima de tudo, é fé. Um do outro. Na sua ligação. Na própria emoção. Aproximando-se uns dos outros e se escolhendo um ao outro, todos os dias.

Repost – Though Catalog

Tenha responsabilidade emocional com o outro!

Saiba que você não precisa ficar quando a sua vontade for de ir embora, mas tenha responsabilidade emocional com o outro.

Ao sair da vida de alguém, acabar uma relação ou um namoro, você já se perguntou se conseguiu deixar algo de bom para alguém? Já se perguntou qual a marca que você deixou na alma e na vida das pessoas?

Ir embora também é um sinal de afeto. Acabar algo também significa que valeu a pena, mas ao ir, tente se perguntar: o que de bom eu deixei? Antes de tomar um outro caminho seja o tipo de pessoa que não reproduz os seus traumas nas próximas relações. Seja honesto e verdadeiro com o outro.

Por mais que você não seja obrigado a absolutamente nada, saiba que pessoas não são produtos! Seja ao menos sensível e transparente. Pessoas não são mercadoria! Não se compram em um supermercado onde você pode simplesmente adicionar ou descartar depois. As pessoas possuem sentimentos dentro delas, pessoas carregam histórias, traumas e planos. Pessoas precisam da nossa honestidade, então que tal ser mais humano?

Às vezes a gente perde o interesse mesmo, a vontade de continuar some, o encanto simplesmente desaparece e a única escolha que resta é ir embora. É normal sentir que não existe mais motivos pra ficar, mas em hipótese alguma suma da vida do outro como se nunca tivesse entrado. Tudo bem cair fora, tudo bem abandonar a viagem antes do outro, mas seja ao menos maduro o suficiente pra explicar o motivo da tua partida, tenha o mínimo de respeito pelo que vocês tiveram. Diga quando não estiver mais disposto a continuar algo, mas jamais desapareça e deixe o outro se virar sozinho.

Repost – O Segredo

Antes de procurar alguém, encontre você

Não procure alguém que te complete, pra ser sincero, não procure ninguém. As melhores coisas da vida acontecem quando você menos espera. Acontecem quando tem que acontecer. Se for pra encontrar, encontre alguém pra sentar no sofá, bagunçar o teu cabelo e assistir aquele filme que você ama mais que sempre faz ele dormir. Encontre alguém que tenha assuntos pra conversar com você no final da noite, mesmo depois de um dia corrido, ou alguém que dispute quem de vocês faz mais pontos em Criminal Case. Se tenha por completo, esteja bem com você mesma, dê tempo pra você, porque quando a gente se basta o outro só chega pra somar. Antes de se apaixonar por alguém, se apaixone por você. Antes de querer alguém pra amar, ame-se e o outro chegará quando você menos esperar. Antes de correr atrás de alguém, lembre-se que ainda tem Netflix e uma temporada inteira daquela sua série favorita pra assistir.
Não procure alguém pra te tirar o tédio, pra dar as mãos, pra ocupar o lado esquerdo da cama e do peito se você não tiver certeza de que sozinha ocupa bem a cama e a si mesma, que sozinha você vai longe, que você não depende de ninguém pra isso, que também é capaz de encontrar os seus caminhos e que não precisa de ninguém pra te levar a lugar algum. Se carregue, se leve, seja livre, porque é de gente livre, leve e solta que o amor precisa. Quando você entende que a leveza da tua alma e a paz da tua vida não merece ser trocada por nenhum peso ou bagunça sentimental, o outro só chega pra seguir o fluxo de um amor tranquilo, pra te apresentar novos lugares e caminhos.

Não procure alguém só pra chamar de ”amor” ou só pra apelidar de algum desses nomes fofos-clichês. Não procure alguém só pra ter quem apresentar no encontro com seus amigos, ou pra ter um colo pra pegar no sono quando o estresse do trabalho atormentar. Não se mantenha em lugares que só te perturbam, e isso também vale pra pessoas. Já perdemos muito tempo tentando seguir caminhos que não são os nossos, tentando aprender coisas que não queremos, ficando com pessoas que não suportamos. Onde não existir reciprocidade, não se demore.

Encontre alguém que, mesmo com nome e sobrenome, te faça entender o significado de chamá-lo de ”meu amor”, alguém que esteja disposto a te dar colo, carinho, afeto, não somente nos seus melhores, mas nos piores também, alguém que os seus amigos reconheçam como ”a pessoa certa pra você” e concordem quando você sorri ao falar dele. Não procure alguém só pra te ligar e conversar sobre saudade, combinar um cinema num sábado a tarde, ou só pra te dizer que vai aparecer quando der. Encontre alguém que esqueça de te ligar pra te avisar e chegue na tua casa de surpresa pra matar a saudade. Não procure alguém pra ocupar a tua vida, porque às vezes a gente perde muito tempo com quem ocupa espaços que não merecem ocupar. Poupe seu tempo e sua paciência com quem só sabe te dizer: ”não sei/vou pensar/qualquer coisa eu te ligo”. Dê o seu tempo a quem te diz ”tô indo/abre a porta que eu já cheguei”.

Não procure alguém só por estimação, pra preencher suas horas e ocupar os seus momentos, porque quando você é capaz de preencher sozinho a sua vida, você se ocupa por inteiro, e você passa não desejar qualquer coisa, a não aceitar nada além de alguém que se realize com você, porque se for pra ser mais uma página a ser rasgada, melhor escrever o livro sozinho.

Repost – Obvious

 

5 Semanas para esquecer um Grande Amor

Já se passou muito mais que 5 semanas, no meu caso, e ainda não sei se estou na fase de encontrar um novo amor, mas li esse texto e percebi que eu passei por tudo isso. E achei que seria interessante compartilhar. Leia, espero que possa ser reconfortante.

Semana 1 – Hora de sofrer tudo que você tem pra sofrer

Uma vontade de ficar deitada na cama (de preferência, no escuro) percorre meu corpo todo. Só quero chorar, porque a vida parece inútil. Nada faz sentido mais. Drama, drama, drama. Nesta semana eu vou me permitir sentir tristeza. Eu mereço passar por esse luto. Minhas amigas me chamam pra sair, mas eu não quero. Não quero fazer nada. Só tem gente idiota na rua, não quero conhecer ninguém novo. Ninguém é como ele. Nunca mais vou amar. Eu odeio o amor.

Chega uma amiga em casa falando que eu não posso ficar assim. Ele não me merece. Ninguém me merece. Eu sou um trapo. Até que ela fala uma coisa que ninguém mais me falou. Essa é a hora de curtir minha bad. Ficar no fundo do poço mesmo. Nenhum sentimento se desperdiça, nem mesmo os piores. Sofre, mas você tem uma semana pra lavar esse rosto e sair pra ver o dia lindo que faz lá fora. Choro de novo.

Passo uma semana sem forças. Produção no trabalho cai pra 0. Não posso ser demitida por causa de homem. Não posso. Preciso sair pra tomar uma cerveja.

Saio. Minha amiga leva uma amiga do trabalho. Passo a noite inteira falando sobre como a gente se conheceu e como é inacreditável a gente ter acabado. Todo mundo falava que a gente combinava. Eu realmente achava que a gente ia se casar. Todo mundo acha isso. É legal querer ficar com alguém pra sempre, mas a gente não precisa apostar todas as fichas nisso. A gente tem que apostar as fichas em vários partes da vida, pra nunca ficar sem nada.

A amiga da minha amiga tá de saco cheio de me ouvir falar, mas tá sem graça de parar de ouvir. Ela já passou por isso, ela disse. Deve estar achando tudo um drama sem fim. E é mesmo. Mas esse é o meu momento de sofrer. Me-deixa-em-paz.

Semana 2 – Hora de viajar, sair da rotina, mudar a pensamento

Despertador toca e parece que tudo foi um sonho, mas logo todos os pensamentos começam a voltar e tudo vai ficando real. Foi tudo real. Começo a chorar, mas não posso me atrasar de novo pro trabalho. Saí o fim de semana todo, mas um dia voltei pra casa bêbada e chorando, no outro fiquei bêbada de novo e peguei um cara que não tinha nada a ver.

Não. Esse fim de semana eu vou viajar. Eu preciso sair daqui. Ligo pra meus amigos e combinamos de ir pra uma cidade perto. A segunda etapa pra esquecer é viajar. Mesmo que seja ali pra esquina. Mas é preciso passar uns dias fazendo algo que você não fazia antes.

Na viagem parece tudo mais distante. Aquele peso todo já saiu um pouco, apesar da tristeza ainda estar instalada por todos os meus poros. Eu não consigo mais morrer de rir de nada. Até que alguma coisa seja realmente muito engraçada e eu esqueça por um instante tudo isso. Mas o pensando fica me puxando pra baixo. Nessa hora é preciso ter bons amigos que te façam rir de nada.

Um amigo da viagem falou uma coisa que eu não vou me esquecer. Ele disse que o amor só existe com a esperança. Enquanto existe um fio de esperança na gente, não tem como esquecer. Ainda existe uma esperança, no fundo, de que ele vai voltar e eu não quero deixar o sentimento ir embora. Eu queria que ele viesse até aqui dizer que tudo acabou pra sempre, mas eu sou a única que pode fazer isso morrer em mim.

 

Semana 3 – Hora de fazer atividades novas e se arriscar

Decidi que não vou mais ficar com ninguém por agora. Porque óbvio que eu sinto falta de sexo, mas toda vez que eu tento me aventurar pra “esquecer”, é só ele que vem na minha mente. Então, esquece. Não dá pra ficar me enganando. Eu não quero mais ninguém. Quando chegar a hora, eu vou saber. Não vai ser forçado. Cansei de gente querendo me apresentar gente. Eu quero ficar em paz. Eu preciso esquecer e forçar a barra só atrapalha tudo, porque eu sempre chego em casa chapada, chorando e querendo comer a geladeira inteira. Depois eu quero dormir. Pra sempre.

Eu decidi dar um ponto final e sei que pra isso eu preciso parar de fazer drama. Mas é tão difícil se acostumar com essa vida vazia. E já que está tão vazia, nessa etapa eu vou aproveitar pra fazer tudo que eu ainda não fiz. Vou entrar numa aula de Francês. Sempre quis aprender Francês. Vai ser bom pra ocupar minha mente. Ou eu podia entrar numa aula de teatro, violão. Eu vou inventar uma vida nova, já que essa tá chata demais. No mesmo dia, faço minha matrícula no Francês e peço indicação de um professor de violão. Será que também dá tempo de fazer aula de pintura?

Ocupo minha cabeça procurando atividades novas pra fazer em vez de assistir mais um episódio de Girls. Durmo com uma faísca de ansiedade se acendendo.

Acordo no outro dia colocando “You get what you give” e aceito essas palavras tipo um presente. I got the music in me. Arrumo a cama, coloco um tênis e saio pra passear pela rua ouvindo as músicas novas que eu baixei. Hoje eu vou sair linda e não quero nem saber. Vou usar batom vermelho de dia, sim.

Começo as atividades novas e me esqueço dele durante o tempo todo em que estou nelas. É engraçado, mas fazer coisas novas ajudam, porque eu nunca fiz nenhuma dessas atividades com ele. Aprender alguma nova me dá vontade de viver cada vez mais, pra aprender cada vez mais e uma onda de felicidade bate, depois de dias sem sentir nada. Descobrir que o sentido da vida é aprender coisas novas. Quero aprender alguma coisa nova todos os dias.

Semana 4 – Hora de encarar o tal grande amor, ou ex grande amor, no caso

Comecei o Francês, mas todo mundo da minha turma é meio esquisito. Eu não me importo, porque descobri que tenho mais facilidade com línguas do que eu imaginava, e meu professor já elogiou duas vezes meu desempenho. Me forço a fazer uma coisa diferente todos os dias. Estou fazendo tudo que eu realmente quero e descobri um prazer imenso em ficar sozinha. Penso no passado, mas tenho pensado muito no futuro, nas coisas que eu quero fazer, no que eu quero investir. Comecei a pesquisar umas bolsas de mestrado fora e uma amiga já topou em ir comigo pra França.

Saio à noite com as meninas pra um show insuportável, mas elas me convencem de ir. Eu sabia que existia chance de eu encontrá-lo por lá. Eu já tava tão bem, não precisava disso. E, claro, ele estava lá.

Nessa etapa é preciso encontrar com ele. É bem provável que você tenha uma recaída, mas você está bem com você, está cheia de planos, cheia de ideias novas. Você não vai passar vexame.

Vejo ele de longe e meu coração começa a acelerar. Finjo que eu não vi ele conversando com uma menina e saio de perto. Minhas amigas perguntam se tá tudo bem e meus olhos enchem de água. Quero sair daqui. Parece que todo o trabalho que eu fiz pra me reerguer, nesta semana, foi em vão. Voltou tudo de novo, como se fosse o primeiro dia.

Bebo mais uma cerveja e sinto meu corpo amolecer. Quero ir falar com ele, quero falar que não quero que ele fique com ela. Mas eu não tenho mais nada a ver com isso. Ele é meu ex. Não é meu amigo, nem meu namorado. Ele é uma pessoa que tinha meu coração, que eu tinha confiança, que eu contava os meus segredos. Mas terminar é arrancar um amigo da sua vida à força e dói pra cacete. Eu preciso te arrancar de mim como se arranca uma erva daninha. Mas morro de medo, porque, se eu te arrancar, talvez eu arranque um pouco de mim também. E é isso. Eu preciso arrancar essa memória de mim, porque quem eu era com você, não existe mais. E agora eu sou uma pessoa que faz francês e toca violão. E eu acordo cedo pra andar pela orla. E a vida também pode ser boa sem você, porque eu sou uma nova eu.

Nossos olhares se cruzam e eu tenho vontade que um buraco se abra diante de mim. Sorrio. Você não esperava que eu sorrisse. Você não esperava que eu estivesse ali, pronta pra outra. E eu vejo que você se surpreende comigo. A gente se aproxima, se cumprimenta dando dois beijinhos. Meu deus, isso é muito estranho. Quero me enrolar no seu peito, sentir sua barba arranhando meu rosto. Seu cheiro de vida medíocre me faz querer parar de respirar. Mas eu só pergunto se está tudo bem. Tudo e você? Como andam as coisas?

 
Quero dizer que sou uma nova pessoa, que talvez você não me reconhecesse, mas você não percebe nada de muito diferente.

Respondo que está tudo bem.

Vi você numa foto num curso de francês. Tá fazendo aula? Só tem gente estranha naquela turma.

Por que ele andou fuxicando meu Facebook se não quer mais nada comigo? Quero concordar que só tem gente estranha, mas percebo o quão imbecil foi esse comentário. Sem querer, lembro que ele sempre fazia comentários imbecis sobre as coisas, mas eu não queria ver. Quando a gente termina, percebe que o outro nem é tudo aquilo. Talvez o que eu gostasse mais em você, era o jeito que eu me sentia quando eu estava com você. Mas agora eu estou construindo uma nova vida em cima dessa que eu já tenho e não posso recusar. Oi, quero trocar de vida, essa não me serviu bem.

Os pensamentos rasgam minha cabeça por dentro e tenho certeza que ele percebe meu coração quase saindo pela boca. Falo que estou fazendo francês e violão e que a vida anda muito bem obrigada, mas penso “quem é aquela otária que você tá conversando?” Agora preciso encontrar minhas amigas. Tchau.

Você não esperava que fosse cortar a conversa e me olha sem entender, mas finge que tá tudo bem. Encontro minhas amigas e falo que quero embora. Todas desistem da noite por mim, menos uma que já está quase ficando com um carinha. Saio impecável do show. Sem dar vexame, sem beber todas, sem falar merda. Viro a esquina e caio no meio fio de tanto chorar.

As meninas me abraçam e compram uma coxinha com muito catupiry e uma Cola-Cola. Aquele é o melhor gosto que eu já senti. A gente volta pra casa e fica conversando um tempão na cozinha, tentando entender aquela situação toda, até que uma delas me faz a pergunta mais óbvia: mas você que voltar com ele? Eu quase respondi de supetão que claro que sim, mas paro pra pensar na minha vida agora, no que ele me falou e percebo que não. Eu não queria voltar pra minha rotina. Apesar de ainda sentir muita falta da companhia dele e das coisas que a gente fazia, eu prefiro não estar com ele agora. Talvez ele não sei encaixe mais nos meus planos. E não respondo nada.

Semana 5 – Hora de se abrir pra alguém novo

Minha rotina continua a mesma da semana passada. Tenho aula de violão, Francês e meu trabalho tá parecendo mais legal do que era antes. Tô com uns novos planos. Resolvi que sábado de manhã eu vou fazer stand up na Lagoa. Nunca fiz essas coisas, mas as pessoas que fazem parecem bem felizes ali, então resolvi tentar. Eu podia aprender a surfar, pintar o cabelo de loiro e virar aquelas pessoas que são ratas de praia. Eu gosto dessa visão de mim. Eu posso seguir o caminho que eu quiser e não tenho nada a perder. Não preciso me preocupar em dar satisfação e nem evitar brigas por causa de ciúmes. Namorar é ótimo, mas descobri que a vida também pode ser muito incrível sendo solteira.

***

Esse fim de semana eu fui numa festa na casa de um amigo de um amigo. Agora eu vou pra tudo que me chamam.

Nessa festa, eu fiquei conversando um tempão com um cara que veio do Espirito Santo fazer mestrado aqui. A gente ficou fumando um cigarro na janela e eu nem percebi que se passaram 2 horas enquanto a gente trocava uma ideia sobre tudo. Falei do meu ex, ele falou que também saiu há pouco de um relacionamento e percebo que os dois estão satisfeitos de estarem ali, agora, presenciando as coisas boas da vida. Pela primeira vez, desde que eu terminei, sinto uma vontade inexplicável de beijar outro cara. Aqueles olhos castanhos profundos me engolem e eu só tenho vontade de agarrar ele ali mesmo, na frente de todo mundo. A gente não ficou nesse dia, porque ainda não sei se estou preparada pra me decepcionar de novo, mas eu percebo um interesse da parte dele. A gente troca telefone, Facebook e tudo mais, e combina de se encontrar durante a semana. Estou ansiosa pra encontrar com outro cara e meu ex começa a se transformar em lembrança.

***

No outro dia, saio de casa pensando onde foi que eu errei no relacionamento, de uma forma bem racional mesmo, sem dramas. Queria saber onde eu errei pra não cometer esse erro de novo. Chego à conclusão de que eu errei não começando essa vida nova antes e até a rua aqui de casa parece mais bonita.

Versão completa do texto no De Repente dá Certo

5 COISAS QUE TODOS PODEMOS APRENDER AO ESTARMOS SOLTEIROS

Nós fomos condicionados a pensar ser solteiro é uma coisa ruim. Se você é solteiro, o consenso geral é de que algo está errado com você. Isto está muito longe da verdade.

Embora seja ótimo ter um parceiro, um relacionamento também implica um compromisso sério de trabalho e tempo. Sempre que você estiver solteiro, foque nas características abaixo e tome o seu tempo na escolha de seu próximo relacionamento.

1. Você não é dependente dos outros para a sua felicidade

Relações devem ser duas pessoas que agem como dois indivíduos parte de uma equipe. Você deve pensar nisso como o caminho para ‘completar’ a si mesmo ou qualquer coisa nesse sentido.

Não gaste todo o seu tempo e energia à procura de seu próximo relacionamento ou olhando para o passado. Use esse tempo sozinho para tratar-se, envolver-se e, mais importante, amar a si mesmo.


2. Você tem tempo livre para explorar e compreender a si mesmo e a vida

Relacionamentos necessitam de tempo e recursos. Mesmo que todas as contas sejam divididas, há sempre mais despesas com mais pessoas a considerar. Tome o tempo que tem como solteiro e viva de uma forma que te faça feliz, tire proveito de sua independência. Você tem mais opções para viagem, passatempos, e projetos pessoais quando você é solteiro.

Você tem mais chances de chamar a atenção ou encontrar alguém da sua vibe se você ficar ativo e fiel a si mesmo.


3. Você não precisa de um parceiro para manter as aparências ou validar sua vida

Os relacionamentos não são um substituto para a confiança ou competência. Não deixe que as opiniões de outras pessoas sobre seus relacionamentos tem influenciem a permanecer ou em constante busca por um relacionamento.

Todas as coisas mudam e terminam. Quando o relacionamento terminar, você terá que muito mais trabalho.


4. Ser solteiro não significa que você não tem amor

O amor está em toda parte se você souber procurar. Sim, pode haver uma falta de energia sexual na vida, mas não significa que você é privados de amor, apreço e desejo. Ainda há pessoas que se importam com você, querem sair com você, desejam a sua opinião e te amam por quem você é. Fique de mente aberta e pronta para aceitar os presentes que universo está jogando em seu caminho.


5. Tempo gasto sozinho tempo é gasto recuperando-se

Se você acabou de sair de um relacionamento, provavelmente está um pouco mexido. Abrande, respire e aceite os sentimentos que você está enfrentando. Resista ao seu desejo de entrar em outro relacionamento ou outras distrações. Enfrente seus problemas agora, em seus termos. Quanto mais cedo você começar a trabalhar na recuperação, mais cedo você vai encontrar-se capaz de ser social.

Se você ignorar e saltar para outro relacionamento, estará deixando os sentimentos e as consequências de seus relacionamentos passados se acumularem em torno de você. Eles vão dificultar a sua felicidade e auto expressão.

Repost – O Segredo

Tudo o que ela precisava era de uma chance

Ela não estava pedindo um conto de fadas. Ela não estava pedindo uma história de amor. Ela não pedia para sempre. Tudo o que ela realmente precisava era uma chance. Tudo o que ela sempre quis foi mais tempo com você.

Ela queria passar mais tempo com você, porque há muito o que ela quer dizer e tanto ela queria te perguntar. Ela queria ver seu lado mais suave e mostrar-lhe o dela. Ela queria descrever exatamente como você a faz sentir e por que ela acha que você é tão especial. Ela queria dizer o quão incrível ela pensa que você é.

Ela queria estar lá para quando você está para baixo e preencher o vazio que o está assombrando, preencha o vazio que sente dentro e põe fim às suas noites solitárias. Embora tenha estado sozinha, ela nunca procurou apenas alguém preencher esse vazio. Ela estava esperando encontrar alguém que a intriga, alguém que a mova, alguém que a faça ansiosa pelo o amanhã. E ela encontrou tudo isso em você. Pelo menos foi o que sentiu e queria saber com certeza.

Ela simplesmente queria a chance que você da à outras garotas. Ela queria aquele encontro. Ela queria a oportunidade de ter uma conversa profunda com você. Ela queria ir dançar com você, queria se divertir com você, queria conhecer seus amigos, queria aprender suas músicas favoritas, filmes e em para qual time você torce. Ela só queria estar ao seu lado; Como amigo ou talvez mais. Ela queria ser parte de sua vida ou talvez uma parte do seu coração.

Ela não está brava com você por não ter sido reciproco  nos seus sentimentos, ela está brava com você porque você nem tentou. Ela está confusa. Ela não sabe por que você assumiria que vocês dois não são compatíveis quando você nem teve uma conversa real com ela ou porque você assumiria que ela não é seu tipo, se você realmente não lhe deu a chance de ver sua Vida e ver se ela será ou não.

Ela não entende como alguém pode tomar essa decisão com base em poucas interações rasas ou o que outros disseram sobre ela. Mas só há muito que podia fazer. Ela tentou levá-lo a passar mais tempo com ela, mas você continuou empurrando-a para longe. Ela tentou mostrar-lhe que ela se preocupa com você e sua história, mas você continuou fazendo com que ela se sentisse que não valia a pena seu tempo.
E ela acabou querendo passar algum tempo com pessoas que não lhe dão nenhum deles. Ela está cansada de pedir a alguém a coisa mais fácil que poderia lhe dar – uma chance. Uma primeira chance. A chance de darem a todos os outros.

Repost – Thought Catalog

Como Ser Solteira – Um filme que todas solteiras deveriam assistir

Acabo de assistir ao filme Como Ser Solteira (2016) e vim aqui falar um pouco sobre o que achei. Aliás, ultimamente tenho assistido a alguns filmes assim, para ver se saio da minha zona de conforto.

images (1).jpg

Sempre fui viciada em filmes de terror e dramas, terror para rir e drama pra entender que minha vida é ótima e não tenho do que reclamar. Odiava filmes de “amorzinho” como eu chamo os Romances, mas eu comecei a assistir alguns, depois que minha psicologa disse que eu deveria assistir. Não é que eu nunca assisti, eu até tenho um filme romântico preferido PS. Eu Te Amo, mas hoje vou falar sobre a comédia romântica, Como Ser Solteira.

O longa conta a história de Alice (Dakota Johnson), uma garota que passou toda a faculdade namorando o mesmo cara e decide terminar para ter certeza de que é realmente ele que ela quer. Depois de algumas noites de baladas e noites de sexo ela decide voltar com o ex, mas ele já está com outra e ela está de fato solteira, mas dessa vez obrigada.

download.jpg

Cheio de clichês o filme tem alguns pontos interessantes, colocar a melhor amiga da protagonista, Robin (Rebel Wilson), como uma mulher plus size e muito segura de si, é uma delas. Claro que tem o clichê da mulher MUITO bem sucedida e que não quer ter filhos e no fim acaba querendo. Enfim, são coisas que já vimos e vemos em muitos filmes.

Enquanto está solteira Alice tem encontros com o ex e mais dois gatos, sabemos garotas o mundo não está tão fácil assim. E realmente como na vida real, todos tem seus problemas e nada de Mark Darcy para nós, Bridget Jones.

Na verdade, Alice quer ficar sozinha, mas não sabe como fazer isso e anda a cada dia a procura de um amor, isso achei muito legal. Porque eu estou em uma fase de que quero ficar sozinha e apesar disso estou a todo momento achando que vou encontrar o amor da minha vida. Isso é ridículo e como Robin mesmo fala no filme, que Alice se perde em “pintos movediços” quando encontra um cara ela esquece quem ela é e vive apenas a relação. Eu me vi no lugar dela, porque eu sempre me anulo em uma relação e a ‘solteirice’ é o melhor momento para se conhecer e realizar os próprios sonhos. Esse é o momento de nos sentirmos plenas, sem dar satisfação a ninguém e achar sua identidade.

Outra coisa interessante, o filme fala também de relacionamento online e como uma pessoa pode ficar paranoica achando que lá é que está o cara dos seus sonhos. Assim como também retrata a mulher louca para arranjar alguém, casar e ter filhos.

Por fim, acho que vale a pena assistir ao filme. É uma boa introspecção para quem está solteira e quer continuar assim, como eu. E também dá pra dar umas risadas.

Data de lançamento: 25 de fevereiro de 2016 (1h 50min)
Direção: Christian Ditter
Elenco: Dakota Johnson, Rebel Wilson, Leslie Mann mais
Gênero Comédia
Nacionalidade: EUA
Sinopse
Alice (Dakota Johnson) acabou de sair de um relacionamento e não sabe muito bem como agir sem outra metade. Para sua sorte, ela tem uma animada amiga (Rebel Wilson) especialista na vida noturna de Nova York, que passa a ensiná-la como ser solteira.