13 razões para a mulher se masturbar regularmente

Danem-se os anéis de brilhante, um pouco de FVC (Faça Você Mesmo) é o melhor amigo da mulher.

Historicamente, a masturbação ganhou má reputação, mas uma festa para um ainda é uma festa. E esta é uma festa que vai fazer você se sentir bem melhor depois de comparecer. A masturbação traz alguns incríveis benefícios para a saúde e fará com que você se sinta realmente muito bem.

Pesquisas mostram que a maioria das mulheres com idade superior a 18 anos já se masturbaram pelo menos uma vez, mas poucas mulheres fazem isso com frequência. De acordo com a Pesquisa Nacional de Comportamento e Saúde Sexual da Universidade de Indiana, apenas 7,9 por cento das mulheres entre as idades de 25 e 29 anos se masturbam de duas a três vezes por semana, enquanto que a porcentagem de homens é de 23,4. Vamos lá meninas, nós merecemos mais do que isso.

A masturbação é uma experiência normal, gostosa e saudável. Está na hora de resolver esse tabu de mulheres e masturbação e perceber que um pouco de ménage a moipode ser exatamente o que você precisa.

O Huffington Post conversou com a Dra. Lauren Streicher, professora adjunta de Obstetrícia e Ginecologia da Universidade Northwestern e autora do livro Sex Rx: Hormones Health And Your Best Sex Ever, sobre os benefícios da masturbação na saúde.

Ela disse que a masturbação pode trazer benefícios à sua saúde ajudando você a dormir, aliviar o estresse e simplesmente ficar mais à vontade com o seu corpo. Ela também observou que da mesma forma que se exercitar ou receber uma massagem, a autoestimulação é uma ótima maneira para relaxar emocional e fisicamente. Em vez de pagar por uma sessão de massagem cara, você pode simplesmente ficar em casa e se dar uma.

Então, diminua as luzes, acenda algumas velas e vá para a cama (ou qualquer que seja a sua rotina) – é hora de participar de um pouco de autoexploração. Aqui estão 13 razões que cada mulher tem para se masturbar regularmente:

1. Vai deixar você mais feliz.

happy

“Nós sabemos que o prazer faz as pessoas se sentirem bem”, disse Streicher. É realmente muito simples. Os orgasmos liberam as endorfinas dopamina e oxitocina , que podem melhorar seu humor e criar uma sensação de estar alto naturalmente. Quem precisa de drogas quando você pode fazer a sua própria?

2. Você vai estar mais confortável com seu corpo.

Seu corpo deve ser seu melhor amigo – é uma das únicas coisas que estarão com você a vida inteira. Explorá-lo faz parte da sua relação de amizade com ele. “É extremamente importante que as mulheres apreciem a sua própria anatomia e como se darem o autoprazer”, disse Streicher. Força nos estudos, meninas.

3. Pode melhorar sua vida sexual.

A masturbação permite que você explore seu corpo e descubra o que a faz se sentir melhor. Conhecer o seu corpo desta forma poderá torná-la mais confiante na cama e mais vocal com os parceiros. Depois de descobrir o que gosta, você poderá dizer ao parceiro onde tocar você.

4. Ajuda a dormir.

dormindo

Existe um motivo pelo qual a maioria de nós se sente tão sonolenta depois desse clímax arrepiante: os orgasmos física e emocionalmente aliviam a tensão e esgotam o corpo, o que permite que você caia no sono mais rápido. “Geralmente as pessoas não dormem melhor depois de se masturbar, mas, muitas vezes, é por se sentirem relaxadas e satisfeitas”, disse Streicher. A masturbação ajuda as pessoas a dormirem do mesmo jeito que ler um livro antes de dormir faz – você se sente mais calmo e relaxado.

5. É uma ótima maneira de liberar a tensão sexual.

Se você optou por não ter relações sexuais ou simplesmente está passando por um período de seca, a masturbação é uma ótima maneira de satisfazer a sua libido.

6. A masturbação pode aliviar dores no corpo e dores menstruais.

“Se você tem uma contração uterina enquanto se autoestimula, essa contração poderá ajudar o sangue menstrual a sair mais rápido… teoricamente vai ajudar com as cólicas”, disse Streicher. Enquanto ela adverte que a pesquisa por trás deste benefício é relativamente limitada, ela disse que não há nenhuma razão para não se masturbar no período menstrual: “Não é nunca algo ruim e se vai ajudá-la, então vá atrás disso.” De todas as formas é mais divertido do que uma bolsa de água quente.

7. Alivia o estresse.

alivio

“Qualquer coisa que faz você se sentir mais relaxada e leva você a se desligar do seu dia, faça você yoga ou uma massagem nos pés, é tudo a mesma coisa”, disse Streicher. “Não é que tenha que ser sexual, mas o sexo e a autoestimulação é, definitivamente, uma das maneiras de aliviar o estresse. “Soa como uma maneiraimpressionante de se descontrair.

8. A masturbação ajuda o seu corpo a se manter sexual… mesmo quando você não está fazendo sexo.

“Se você está dando um tempo para relacionamentos, há um benefício muito forte para manter as coisas ao se autoestimular – não só em termos de manter os tecidos elásticos e saudáveis e aumentar o fluxo sanguíneo, mas de manter seu cérebro funcionando”, disse Streicher. “Nós sabemos que o sexo e a excitação começam no cérebro… Quanto mais sexo você tem, mais sexo você vai querer porque você pensa mais sobre sexo. Quando você tem alguém que não teve sexo por um período muito longo de tempo, na maioria dos casos, essa pessoa nem sequer está pensando nisso.”

9. Há toneladas de aparelhos legais para ajudar você a se masturbar.

Desde vibradores de mãos-livres até vibradores em forma de batom, há um vibrador para cada mulher.

10. Se você está em um relacionamento, é uma ótima maneira de misturar as coisas – e mantê-lo voltando para mais.

Como observou Streicher, quanto mais sexo você tem, mais sexo você vai querer ter. Também é correto dizer que, quanto mais você se masturba e torna-se confortável com o seu próprio corpo, mais você vai querer ter sexo com o seu parceiro. “Sabemos que ser autossexual vai estimular a parte do cérebro que mantém sua libido viva e funcionando bem”, disse Streicher.

11. Orgasmos. Múltiplos.

orgasmo

Entender como seu corpo funciona ajuda a saber exatamente como lhe dar prazer. Uma, duas, três vezes – a decisão é sua! O clímax é muitas vezes só no final do sexo com os homens, mas as mulheres podem continuar. Por que se satisfazer com um?

12. Não há desvantagens.

A masturbação não tem “absolutamente nenhum efeito negativo”, disse Streicher. “Nada de ruim pode acontecer se você se masturbar – você não pega nada, não engravida, nem fica doente. É um vício que faz você se sentir bem e não tem repercussões negativas.”

13. É incrivelmente f#d*.

Nem precisa explicar.

Limpe sua agenda, um tempo para “mim” começa agora.

Pode o Sexo ser Condicionado?

Repost – Cuestion Saber

Será que as primeiras experiências sexuais determinam nossas preferências ou gostos?

O interesse sexual estará relacionado com suas primeiras experiências sexuais e estas: afetam nossas vidas sexuais de adultos.

Você pode preferir odores fortes, corpos magros ou musculosos, idades, cores e sexos por causa das experiências sexuais precoces … Será que estamos condicionados a primeira vez que fez sexo?

James Pfaus, um pesquisador do Laboratório de Neurobiologia da Universidade de Concordia, no Canadá. Conduzido um experimento era fazer com que ratos machos tiveram suas primeiras cópulas com ratas impregnado amêndoa essência e após a exposição repetidamente colocando com fêmeas no cio perfumadas e outros sem cheiro e determinar até que ponto eles preferiam as que usassem perfume. Se a preferência para perfumado era muito visível, isso significa que as experiências sexuais precoces podem condicionar o comportamento sexual de um rato adulto.

O resultado foi esmagador. Os primeiros ratos machos cujos encontros sexuais ocorreu com fêmeas impregnadas com essência de amêndoa, adultos tinham uma preferência muito acentuada para fêmeas com o perfume. Não só isso, se colocado na célula um saco de feijão essência de amêndoa de madeira, o roído e até esfregou seus órgãos genitais nele. Era como se tivessem criado um fetiche sexual para o cheiro de amêndoas. E a mesma coisa aconteceu quando exposto aos primeiros homens e mulheres vestindo jaquetas de couro: se esses homens adultos colocá-los em seu celular uma mulher vestida de couro e outro nu, eles atiraram-se de cabeça em vestindo a jaqueta.

Como se vê! Se não está condicionado sexo, embora cientificamente verificando em ratos. E como tal, não seria prudente  descartá-lo quando se refere a seres humanos. Nope!, Como podemos ver, pela ciência e sexo do ser humano é determinado não apenas pela biologia, mas por outros aspectos, tais como personalidade, nacionalidade, condição social, etc …

Mas em ratos ela existe, e como tal, a equipe de James Pfaus queria ir em frente com a investigação e determinar se poderia haver um condicionamento sexual absurdo, em outras palavras: Se o estímulo é negativo?

Aqui em suma Como é que fazer sexo é negativo? …. e, aparentemente, James, sabia como.

Mas primeiro, devemos esclarecer que a estimulação sexual é tão forte que, mesmo encontrá-lo repulsivo, um macho jovem virgem terá relações sexuais com mulheres que cheiram como cadaverina, uma substância produzida pela carne em decomposição que afasta sem contemplar qualquer rato, se é a única opção.

Isto foi descoberto, colocando em uma gaiola com um adulto ratos machos são infundidos com cadaverina zelo com outros que não são, os maus rolamentos ou tocá-los. No entanto, um homem cuja primeira experiência sexual ter sido ratos cheirando cadaverina, quando eles são expostos fêmeas adultas com cadaverina e sem nenhuma preferência por qualquer. E se pulverizando uma extremidade de sua gaiola com a substância pútrida, ao contrário de outros machos fogem no controle terror, condicionado masculino transeunte como nada. Sexo consegue inverter a aversão ao estímulo geneticamente programados para ser repugnante e prevenir infecções letais. Mas, primeiro, é a preservação da espécie.

Impresionante, você não acha?

Para isso, Pere Estupinyà, ciência escritor de livros de sexo, pergunte James se eu pudesse ter um condicionamento semelhante nas meninas cujo primeiro satisfatória sexual experiências foram com homens de cabelo abundante ou axilas cheiro muito intenso, ou até mesmo homens que preferiam a masturbação com os seus parceiros, porque os seus primeiros orgasmos com suas namoradas não incluiu a relação sexual. James Pfaus disse “Pode ser, não é um cenário inverosímil. Sabemos que as primeiras experiências sexuais gerar uma espécie de selo. Claro que no desenvolvimento do comportamento sexual humano envolve muitos mais fatores, a partir biológica a cultural; mas, é claro, os esforços condicionado na adolescência pode influenciar as preferências de adultos. “

Esta animação ‘Le Clitoris’ vai te contar como aconteceu a descoberta do clitóris

“Mulheres são sortudas. Elas têm o único órgão do corpo humano dedicado exclusivamente para o prazer: o clitóris!”

É com essa frase que o mini-documentário Le Clitoris começa a contar um pouco da história de descoberta do órgão feminino.

Dirigido pela canadense Lori Malépart-Traversy entre 2015 e 2016, quando finalizava o curso de cinema na Universidade de Montreal, o curta já ganhou mais de 10 prêmios em festivais.

Ele também foi exibido na Mostra Erótica do Animage, Festival Internacional de Animação de Pernambuco, em novembro do ano passado.

De forma delicada e bem humorada, os três minutos do vídeo querem desmistificar a sexualidade e o prazer feminino.

Ao informar sobre a anatomia do corpo da mulher, o vídeo também incentiva o autoconhecimento de cada uma delas sob os seus próprios corpos.

“O clitóris tem raízes longas. O que vemos é só a pontinha do iceberg”, brinca a diretora.

A tal da ‘pontinha do iceberg’ é composta por milhares de terminações nervosas que concentram nela pontos de prazer e são bem mais sensíveis ao toque.

Assim como o pênis, quando estimulado, o clitóris passa por um processo de ereção e pode aumentar em até 2 cm o seu tamanho.

SER SOLTEIRO EM 2017 É UMA EXPERIÊNCIA ANTROPOLÓGICA

Repost – Entre Todas as Coisas

Recentemente resolvi que precisava voltar para o mercado, contrariando minha preguiça extrema de conhecer pessoas e a ideia de Quintana de que é melhor cuidar do jardim e esperar as borboletas do que ir atrás delas. Cuidar do “jardim” é importante? Sim. Mas ninguém aqui é planta pra ficar esperando que a vida se movimente ao seu redor enquanto se alimenta de luz.

A essa altura do campeonato você já deve ter entendido que não estou falando do mercado de trabalho, mas do amoroso, esse estranho Carrefour repleto de ótimos produtos – e outros nem tanto – ao alcance dos olhos e das mãos, mas que não parecem caber no bolso de ninguém.

Voltando à minha decisão, fiz o que qualquer solteiro do século 21 faria para alcançar tal objetivo: baixei o Tinder. O problema já começa aí. Experimenta falar pra uma amiga que nunca usou o Tinder, que você está nele:

– Ah, mas nesse negócio aí (sic) você nunca vai encontrar ninguém pra namorar. Só tem gente pra transar mesmo. Pra namorar você precisa conhecer alguém em uma livraria, em um café, em um bar… outros lugares!

Partindo desse princípio, imagino que no momento em que nascemos somos questionados se preferimos ser uma pessoa para namorar ou uma pessoa para transar. Se a escolha for “para transar”, a orientação é nunca, em nenhuma hipótese, frequentar livrarias, cafés e bares, para que ninguém jamais te confunda com uma pessoa que escolheu “para namorar”. E mais! Se essa foi sua opção, você só pode fazer duas coisas: baixar o Tinder e viajar para tirar fotos com golfinhos, leões e grandes monumentos para colocar no seu perfil. Ok?

Pois bem. Voltando a essa experiência antropológica chamada Tinder, depois de algum tempo cheguei à conclusão de que quem está lá ou ficou solteiro recentemente ou já está há tanto tempo no aplicativo, que você se sente até íntimo da pessoa. Tenho vontade de montar um grupo de ajuda com esses velhos conhecidos pra entender qual o problema deles, porque certamente é o mesmo que o meu.

Generalizações à parte, aplicativos de relacionamento tem um “funil de conversão” impressionantemente frustrante. É mais ou menos assim:

– Número de combinações em um dia: 30
– Combinações que conversam com você / você puxa assunto e respondem: 6
– Conversas que ultrapassam o “Oi tudo bem? Tudo e você? Onde mora? Faz o que da vida?”: 2
– Encontros marcados para o final de semana: 1

Desses encontros de final de semana, se você der sorte, um em cada três vai ser muito legal. E você vai se dar muito bem com a pessoa, vocês não vão ficar sem assunto, será extremamente divertido e se organizar direitinho todo mundo transa.

Aí entra um grande mistério da humanidade: pessoas com as quais a gente transa – para onde vão? O que fazem depois que isso acontece? Por que possuem hábitos pós-coito tão peculiares? Isso a Globo não mostra.

Algumas até dão as caras pelo simples prazer de inventar desculpas esfarrapadas após desculpas esfarrapadas, que tentam justificar o porquê de vocês não poderem se ver de novo:

– Fiz uma cirurgia espiritual e não posso fazer sexo.
– Vou ao centenário da minha tia avó este sábado à noite.
– Minha prima do interior vai passar o final de semana comigo.
– Vou passar os próximos meses viajando para conhecer o processo de produção de cervejas artesanais.

Nesses casos, nunca conte nenhuma delas para sua amiga anti-aplicativos de relacionamento. Ela vai dizer que te avisou, o que só não é mais irritante do que ouvir “ah isso é normal. As pessoas somem mesmo, apesar de ser chato, sempre conte com essa possibilidade”.

O QUÊ?

Essas pessoas nunca leram O Pequeno Príncipe na infância? Nunca se perderam da mãe no supermercado e por isso não sabem como é sofrido quando alguém some de você inexplicavelmente? Além de tudo, eu que tenho que me esforçar para aceitar e achar esse comportamento normal? Jamais, cara pálida.

Sendo mais objetiva, eu poderia passar horas aqui falando sobre Bauman, Geração Y e todas essas teorias e análises que tratam sobre o quão escrotos estamos nos tornando. Mas a gente já sabe que, assim como a zueira, a escrotidão humana não tem limites e nem uma solução aparente. Então vou direto ao ponto e fazer o que fazemos de melhor nos dias de hoje: reclamar de forma generalizada de um cenário que nos incomoda, mas do qual fazemos parte e não nos esforçamos para mudar.

Ser solteiro no mundo moderno é um verdadeiro exercício de elevação espiritual. Você precisa ser otimista, mas nem tanto porque as expectativas precisam ser controladas. Resiliente, mas nem tanto, porque quem se adapta demais acaba se conformando com o que não deve. Paciente, e muito, porque se relacionar com pessoas anda pra lá de cansativo. Persistente, mas só um pouco, porque insistir para que algo dê certo é chato… Assim como esperar alguma coisa do outro é chato, querer que ele seja coerente é chato, achar que respeito e empatia deveriam ser sempre levados em consideração é chato, ter vontade de ultrapassar a barreira da casualidade é chato, se incomodar com tudo isso é chato. Resumindo: qualquer coisa que não inclua fingir naturalidade em relação ao fracasso amoroso coletivo que estamos vivendo é ser alguém muito chato aos olhos do mundo moderno.

Minha conclusão pessoal diante de tudo isso? O mundo moderno é que está chato pra cacete.